Visto ou vivido?

A “Festa da Lanterna” é um evento que ocorre uma vez por ano, em junho, na escola Waldorf que minha filha frequenta. É comemorada à noite pelas crianças do maternal e do jardim, acompanhadas dos professores. Os pais são convidados para assistirem à pequena cerimônia na quadra da escola. As luzes se apagam e as crianças entram em fila, cantando, cada uma com uma lanterna na mão, para se reunir. Enquanto isso, alguns professores acendem um fogo com tochas no centro da quadra.

Poderia, certamente, ser um momento inesquecível para todos os presentes e não apenas para as crianças.

Infelizmente, tal evento sofreu um distúrbio grave: uma tempestade de relâmpagos, causados pelas máquinas fotográficas de muitos pais, que “documentavam” a cerimônia inteira. Como pai, confesso que tal atitude me perturbou e até irritou. Que mania é essa tirar imagens de pequenas crianças carregando lanternas? Uma lanterna serve para iluminar os arredores e, neste caso, encantar os participantes. Em uma ocasião como esta, o flash de uma câmera é mais do que inconveniente: ele acaba com a intenção e o sentido da festa. Sem falar daqueles que, ao olhar através das lentes das suas máquinas, nem conseguiram desfrutar realmente daquele momento na vida dos seus filhos por estarem ocupados com seus brinquedos digitais.

Após armazenar arquivos e mais arquivos no disco rígido, qual é o resultado de tal esforço? Imagens de crianças iluminadas por luzes artificiais e não pelas lanternas que elas carregavam. A lembrança de um evento importante, reduzido à mera atividade digital como algo “visto” mas não “vivido”.

Mas que tipo de lembrança é essa?

P. S.

Todos querem ser famosos. Serem vistos, congelados, preservados pela mídia, porque nós passamos a acreditar no que é visto mais do que no que é vivido. De alguma forma nós entendemos tudo ao contrário e as imagens nos parecem mais reais para nós do que as experiências. Para confirmar que nós realmente existimos, que nós realmente importamos, temos que ver fantasmas de nós mesmos preservados em fotografias, em programas de televisão e videotapes, no olho do público.

E quando você sai de férias, o que você vê? Bandos de turistas com câmeras de vídeos grudadas em suas faces, como se estivessem tentando sugar o mundo real para dentro do mundo bi-dimensional das imagens, gastando seu “tempo livre” vendo o mundo através de uma pequena lente de vidro. Certamente, transformar tudo que você poderia experimentar com os cinco sentidos em informação gravada que você só pode observar à distância, de fora, oferece a ilusão de estar no controle da própria vida: você pode rebobiná-la e reprisá-la, mais de uma vez, até que tudo pareça ridículo.

Mas que tipo de vida é essa?

Trecho do livro Days of War, Nights of Love, achado no blog de Rafael Conter.

2 Respostas para “Visto ou vivido?

  1. Só uma correção: o nome é Rafael Conter, não Roberto Conter.

Schreibe einen Kommentar

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s