Arquivo da tag: Mídia

Sobre um circulo invisível e a opinião pública

A capacidade da percepção humana não é tão eficiente quanto muitos de nós tendem a acreditar, e muito menos ainda ela é capaz de obter uma impressão completa de algo.

Por exemplo: quando você se concentra no ponto vermelho da imagem seguinte, é possível observar como o círculo cinzento fosco parece sumir. Somente através do movimento dos olhos, ou seja, só quando você desfoca do ponto vermelho, o circulo ao redor volta a aparecer no campo de visão.

circuloinvisivel

Bom, no caso da imagem se trata de uma ilusão ótica que foi induzida fisiologicamente. Mas ela é um ótimo exemplo de como funciona a estrutura da percepção humana em geral.

Quando somos expostos na mídia a um fragmento chamativo da realidade e forçados ou interessados a nos concentrarmos neste detalhe, os aspectos menos sensacionalistas da realidade tendem a sumir da nossa percepção. Por isso, qualquer opinião que se forma sobre uma notícia tende a ser incompleta, embora o envolvido acredite que tenha uma visão geral e objetiva do assunto.

Daí surgem – por grande parte – as polêmicas, as receitas fáceis para problemas complexos.

Pense nisso, na próxima vez que você assistir às notícias em rede nacional ou quando curtir ou comentar um post nas redes sociais.


A maior parte deste texto é a tradução adaptada de trechos de um post em Alemão: Elias S., obrigado pela inspiração!

Papo de Caipira? Proseando com Navegantes

Apesar da convicção que tenho de que a maioria dos que acessam a Internet acabam se familiarizando com essa incrível ferramenta que tem a pretensão (e não só pretensão!) de, ao ser acionada através de um simples toque no mouse, fazer explodir na telinha à nossa frente um mundo de informações, etc, tudo isso sem que seja preciso que tiremos a bunda da cadeira, não resisto e exponho o que se segue:

– vá lá que parte dessas informações possam ser falaciosas, impertinentes, reticentes, mentirosas e de cujas abordagens podemos até discordar frontalmente;

– vá lá que o nosso espírito curioso e investigativo junto a este mundo virtual (mas nem tanto!) nos conduza a um sedentarismo e aos prejuízos que este comportamento nos traz;

– vá lá, ainda, que esta enxurrada de páginas, blogues, sites, e-mails, canais sociais, tudo isso nos deixe, por vezes, feito baratas tontas defronte à telinha;

– vá lá, inclusive, que eu, neste momento, possa estar falando apenas de mim — do meu comportamento defronte à telinha — e de mais ninguém;

Continuar lendo …

Genésio dos Santos, caipira, nascido em 1952 em Itapetininga — SP, filho de ferroviário, tem diploma de Curso de Telégrafo, é poeta e cronista e, acrescente-se, hoje é também um bicho urbano adaptado e aprendiz de blogueiro (em suas próprias palavras).

Descanse Em Paz!

Nelson Mandela

fonte: thetimes.co.uk


Vale a pena lembrar que tantos paises do chamado mundo livre apoiaram durante décadas o regime do apartheid. Se, naquela época dependesse deles (países cujos líderes atuais comparecem hoje à cerimônia de despedida), Mandela teria morrido na prisão, a África do Sul ficaria afundada no caos e não teria sido possível de criar a lenda de um novo “Messias”.

Noite de Cinema

figurenbrut.blogger.de

Do blog de Marco Finkenstein.

2012 – O Fim do Mundo? Fale sério!

Periodicamente aparecem na imprensa profecias sobre o fim do mundo. Garantiu-se por expemplo que o fim do mundo ocorreria em 1910 por ocasião da passagem do Cometa Halley, aconteceu também em 1986, por ocasião de outra passagem do mesmo cometa, em 1999 por conta do final dos “anos 1000” e novamente em 2000 por conta do final do segundo milêncio de nosso calendário.

Afinal o que acontecerá em 2012?

O Calendário Maia é um bom ponto para começar a analisar de forma objetiva as ideias catastrofistas, ele é extremamente complexo e preciso, e também é composto de ciclos maiores e menores. No dia 21 de dezembro de 2012 terminará um Grande Ciclo, que dura 1.870.000 dias, um pouco mais de 5125 anos. O que acontecerá? O Grande Ciclo seguinte começará. Apenas isso.

O Calendário Gregoriano, o nosso, tem ciclos que são os dias, as semanas, os meses, os anos, as décadas, os séculos e os milênios. O que acontece após do final de um ciclo? Inicia-se o ciclo subequente, nada mais óbvio: quando terminou o século 19 em 31/12/1900, iniciou-se o século 20. E ao final do século 20 e do Segundo Milênio, em 31/12/2000, iniciaram-se o século 21 e o Terceiro Milênio.

O Sol tem um ciclo de 11 anos em sua atividade magnética: a cada 11 anos as manchas solares somem, reaparecem, chegam a um máximo de atividade e somem novamente. Devido ao aumento do vento solar, nomáximo de atividade podem ocorrer pertubações nas comunicações via satélite ou de ondas curtas. A polaridade magnética dos pólos solares também se inverte a cada 11 anos. Tudo isso acontece sempre, há bilhões de anos, como parte da natureza do Sol. O próximo “máximo da atividade solar”, na verdade ocorrerá apenas em maio de 2013 e segundo os especialistas será mais fraco que a média das últimas décadas. Quanto à inversão dos pólos magnéticos da própria Terra, isto ocorre periodicamente, em intervalos de centenas de milhares de anos. Segundo os geofísicos, o processo de inversão leva cerca de 1000 anos para se completare nõ há o menor indício que uma inversão esteja ocorrendo atualmente.

Outro argumento que se escuta com frequência é o suposto alinhamento do Sol com o Centro Galáctico que ocorrerá no final de 2012 e desencadeia movimentos catastróficos dos continentes, terremotos e maremotos. Como o centro da galáxia é geometricamente um ponto no espaço e a Terra é outro, é bem evidente perceber-se que dois pontos sempre estão alinhados. Isso é geometria elementar. E a cada solstício de verão, ou seja, sempre que o verão se inicia no hemisfério sul no dia 21 ou 22 de dezembro, o Sol visto da Terra estará alinhado com o Centro Galáctico. Rigorosamente nada diferente acontece neste momento em termos da atração gravitacional exercida sobre a Terra devido à imensa distância que nos separa do Centro Galáctico ou mesmo das estrelas mais próximas. Apenas a Lua e o Sol exercem forças de atração gravitacional significativas sobre a Terra, forças estas que combinados resultam nas marés.

Finalmente, muito se fala na eventual colisão de um planeta desconhecido com a Terra. Esta hipótese mistura fatos reais com fantasia. O que existe de real é que durante muito tempo foram detectadas sutis diferenças entre a posição medida e posição prevista do planeta Netuno, indicando a atração gravitatcional do mesmo por corpos desconhecido além da órbita de Netuno. Plutão foi desoberto em 1930 a partir destas diferenças, e atualmente se sabe que existe todo um cinturão de pequenos objetos chamado Cinturão Transnetuniano que é responsável pelas diferenças de posição medidas. Nos últimos anos diversos objetos deste cinturão foram descobertos. Além disso, se um grande corpo estivesse se aproximando das Terra tal que fosse colidir com a mesma em 2012, há décadas ele já teria sido detectado com telescópiosm profissionais e atualmente seria visível a olho nu. Existe um grande projeto de observação de corpos que passam próximos à Terra que envolve astrônomos do mundo todo. O objetivo é descobrir com o máximo de antecedência possível corpos que estejam em rotas de colisão conosco mas felizmente até o momento nenhum corpo foi confirmado em órbita de risco.

Fonte: Professor Roberto D. Dias de Costa – Departamento de Astronomia da USP

Pois é …
Feliz Ano Novo!

Leitor sem cabeça:

Fonte: Der Freitag.

Visto ou vivido?

A “Festa da Lanterna” é um evento que ocorre uma vez por ano, em junho, na escola Waldorf que minha filha frequenta. É comemorada à noite pelas crianças do maternal e do jardim, acompanhadas dos professores. Os pais são convidados para assistirem à pequena cerimônia na quadra da escola. As luzes se apagam e as crianças entram em fila, cantando, cada uma com uma lanterna na mão, para se reunir. Enquanto isso, alguns professores acendem um fogo com tochas no centro da quadra.

Poderia, certamente, ser um momento inesquecível para todos os presentes e não apenas para as crianças.

Infelizmente, tal evento sofreu um distúrbio grave: uma tempestade de relâmpagos, causados pelas máquinas fotográficas de muitos pais, que “documentavam” a cerimônia inteira. Como pai, confesso que tal atitude me perturbou e até irritou. Que mania é essa tirar imagens de pequenas crianças carregando lanternas? Uma lanterna serve para iluminar os arredores e, neste caso, encantar os participantes. Em uma ocasião como esta, o flash de uma câmera é mais do que inconveniente: ele acaba com a intenção e o sentido da festa. Sem falar daqueles que, ao olhar através das lentes das suas máquinas, nem conseguiram desfrutar realmente daquele momento na vida dos seus filhos por estarem ocupados com seus brinquedos digitais.

Após armazenar arquivos e mais arquivos no disco rígido, qual é o resultado de tal esforço? Imagens de crianças iluminadas por luzes artificiais e não pelas lanternas que elas carregavam. A lembrança de um evento importante, reduzido à mera atividade digital como algo “visto” mas não “vivido”.

Mas que tipo de lembrança é essa?

P. S.

Todos querem ser famosos. Serem vistos, congelados, preservados pela mídia, porque nós passamos a acreditar no que é visto mais do que no que é vivido. De alguma forma nós entendemos tudo ao contrário e as imagens nos parecem mais reais para nós do que as experiências. Para confirmar que nós realmente existimos, que nós realmente importamos, temos que ver fantasmas de nós mesmos preservados em fotografias, em programas de televisão e videotapes, no olho do público.

E quando você sai de férias, o que você vê? Bandos de turistas com câmeras de vídeos grudadas em suas faces, como se estivessem tentando sugar o mundo real para dentro do mundo bi-dimensional das imagens, gastando seu “tempo livre” vendo o mundo através de uma pequena lente de vidro. Certamente, transformar tudo que você poderia experimentar com os cinco sentidos em informação gravada que você só pode observar à distância, de fora, oferece a ilusão de estar no controle da própria vida: você pode rebobiná-la e reprisá-la, mais de uma vez, até que tudo pareça ridículo.

Mas que tipo de vida é essa?

Trecho do livro Days of War, Nights of Love, achado no blog de Rafael Conter.

Stay Tuned?

My head hurts!

Tirem as mãos!

Estimados editores, diretores de TV, criadores de eventos, gerentes de shoppings! Estimados planejadores de parques temáticos, paradas gay, exposições e de qualquer outro tipo de nonsense. Tirem as mãos do nosso tédio! É a última janela do nosso ego, de onde ainda podemos observar o mundo sem sermos perturbados, sem sermos controlados. Parem de se apresentar a nós. Parem de criar algo para nós. Não nos digam mais o que queremos. Afastam-se; não mandem cortesias e não nos entreguem questionários. Parem de nos entrevistar, de nos filmar, deixem-nos em paz. Deixem-nos ociosos, pois a ociosidade significa liberdade. E contentem-se com o fato de que, às vezes, não queremos contar o que nos interessa a vocês.

Trecho do discurso de Wilhelm Genazino, após de receber o Georg-Büchner-Preis, em 2004.

Tradução: Peter Hilgeland

De paraquedas

Segue o que alguns repórteres e representantes políticos dos Estados Unidos (e de outros países) não entendem do Brasil, ou seja, da crise em Honduras:latuffzelaya-field

http://narcosphere.narconews.com/thefield/3450/what-some-us-reporters-dont-get-about-brazil-and-honduras-crisis